Nota oficial ABEE – trabalhos 2016 e formatação para 2017

banner_olimpico

NOTA OFICIAL ABEE – OUTUBRO/2016

Membros ABEE,

Seguimos nossos trabalhos neste mês de outubro satisfeitos com as realizações e compromissos cumpridos até agora em 2016. Entre os trabalhos e  conquistas ABEE neste ano, podemos citar:

– a realização de duas grandes etapas do campeonato brasileiro – uma na modalidade boulder e outra de dificuldade;

– o pagamento da taxa de filiação anual ao  IFSC – International Federation of Sport Climbing

– o manejo e participação de 3 atletas brasileiros no campeonato mundial (Camila Macedo, Pedro Nicoloso e Janine Cardoso)

– a regulamentação de ATA e Estatuto ABEE devidamente aprovados e registrados no cartório conforme instruções do Comitê Olímpico Brasileiro em 2015 (trabalho burocrático  que  requer tempo e nos últimos 2 anos conferiu à presidência da ABEE grandes aprendizados para o futuro).

– Workshop durante o Rio 2016 em parceria com a  Federação Austríaca, com aquisição de know-how mais profundo sobre organização e treinamento, que será aos poucos aplicado nos pólos de escalada no Brasil (mais abaixo explicaremos o que chamamos de pólos, principalmente para aquelas regiões que não possuem Associações ou Federações organizadas em prol da escalada esportiva).

INCLUSÃO NAS OLIMPÍADAS DE  TOKYO 2020

Além disso, com a notícia de inclusão da escalada esportiva como modalidade olímpica em Tokyo 2020, seguimos atendendo a mídia nacional, através de entrevistas e emails informativos sobre o esporte escalada esportiva e suas modalidades, com esclarecimentos sobre o possível formato  nas Olimpíadas, trabalho realizado em conjunto pela diretora secretária da ABEE Thais Makino,  o vice-presidente da ABEE Raphael Nishimura e a presidente da ABEE Janine Cardoso.

Vale salientar que nem o formato de competição e nem o formato de seletivas foi  divulgado oficialmente pelo IFSC (o que deve ocorrer em março de 2017).

O que existe é uma especulação de que os atletas selecionados para as Olimpíadas (20 vagas para atletas do masculino e 20 atletas do feminino) deverão escalar as 3 modalidades da escalada esportiva de competição – boulder, difculdade e velocidade, com colocação baseada na somatória de pontuação em cada um dos resultados nas 3 modalidades (overall).

Para o Brasil, considerando sua atual realidade no cenário mundial, existem chances de classificação para as Olimpíadas, caso hajam vagas disputadas por seletivas continentais.

Lembramos que atletas brasileiros como Cesar Grosso, Felipe Camargo, Janine Cardoso e André Berezoski já se classificaram para semi-finais de etapas da copa do Mundo da modalidade dificuldade, estando entre os 20 melhores do mundo nessas etapas, e que atualmente, o atleta Jean Ouriques é um dos nomes mais expressivos na América Latina no cenário de escalada esportiva de competição, tendo inclusive vencido o último aberto de boulder na Argentina, liderando com destaque o ranking brasileiro de escalada, tanto em boulder como em dificuldade.

Além disso, o Brasil conta com atletas promessas que atualmente competem no juvenil e infantil, como Felipe Ho e Mariana Hanggi, entre outros.

Logo, com incentivo financeiro aliado ao know how dos atletas e equipe de profissionais capacitados, o Brasil tem grandes  chances de otimizar  a performance nacional e brigar por uma vaga.

Em encontro  da presidente da ABEE Janine Cardoso com o presidente do IFSC, Marco Scolaris e a secretária de Comunicação e Relações Internacionais  do IFSC, Debbie Gawrych durante as Olimpíadas 2016 no Rio de Janeiro, foram apresentadas algumas  conquistas e ideias para seguir evoluindo o cenário no  Brasil, incluindo o processo de reconhecimento governamental.

Ficamos felizes em ser vistos como um exemplo de organização na América Latina, e seguimos cada vez mais conectados com as Federações mundiais organizadas,  buscando manter o  intercâmbio de informações e valorizando os atletas ranqueados nesses quase 3 anos de existência.

Cada país e  cada atleta membro filiado faz parte desse sonho olímpico conquistado!

Em março de 2017, a ABEE completa 3 anos e seguirá em  contato com o Ministério dos Esportes e COB apresentando o trabalho trilhado até então, seguindo orientações e atualizando-se sobre regulamentação para continuar nosso trabalho, sempre  de forma transparente e 100% comprometidos.

A ABEE é a entidade membro e  reconhecida pela Federação Internacional de Escalada Esportiva, com ginásios e associações parceiras, até então.

Para 2017, alguma associações parceiras tornar-se-ão filiadas, e seguirão como braços da ABEE, seguindo com consciência e uma política sustentável, construindo uma base através de um trabalho focado, realizado ainda por poucos profissionais apaixonados.

PROFISSIONALIZAÇÃO DA ESCALADA e PÓLOS ABEE

Dizemos profissionais sempre, pois sem dúvida o retorno, ainda que sem remuneração financeira,  tem tido grande valor para quem se propõe a isso – acesso mais ágil a informações e intercâmbio com profissionais de países mais organizados, ajuda na organização do  esporte que amamos,  ajuda para competir como atletas filiados ao IFSC, ideologia, prospecção de mais oportunidades para o futuro.

Contudo, temos muito mais trabalho pela frente!

Para que o trabalho siga com conexão  pelo Brasil, formatamos alguns pólos que irão atuar como braços da ABEE a partir de 2017:

PÓLOS: formados por ginásios,  clubes e entidades estaduais/regionais filiadas a ABEE (associações ou federações regionais e/ou estaduais concedem desconto na filiação ‘local’, com um pacote de filiação na sua filiação (mensalidade ou anuidade), incluindo a Federação Nacional à ABEE *)  com foco no desenvolvimento da escalada esportiva.

*obs: No caso de Federações regionais/estaduais que venham a ser membros ABEE, o formato está sendo conversado com as mesmas, e será divulgado em dezembro de 2016, após Assembléia Anual ABEE (com data e local a ser divulgado na primeira quinzena de novembro de 2016 por email enviado aos membros ABEE e com convocações divulgadas na home do site ABEE).

Os pólos ABEE,  pouco a pouco, devem contar com profissionais capacitados e certificados pela equipe oficial de treinadores e route setters para preparar a base com um padrão de qualidade,  com conhecimento,  currículo e experiência comprovada para iniciar o treinamento de grupos interessados em competir, e manter o intercâmbio saudável entre os membros de cada pólo para realização de rankings estaduais/regionais.

A ABEE, desta forma, filiará membros/alunos de entidades  parceiras e/ou federadas a ABEE, com um valor anual de R$ 90,00 (valor anual cheio em 2017 será R$ 140,00), e as entidades filiadas e parceiras também deverão oferecer um abatimento  no valor total da sua anuidade (clubes, ginásios, associações e federações estatuais e regionais filiadas (dúvidas a respeito, contatar diretoria@abee.net.br).

Para 2017, membros individuais podem se filiar também no caso de ainda não contarem com Associações filiadas a ABEE em seu estado/ região/Pólo ABEE (sem filiação a nenhum clube, federação regional ou ginásio), pela anuidade de R$ 140,00. (Esse critério de filiação pode ser alterado até final de 2016, dependendo das negociações com ginásios e entidades estaduais/regionais).

PROPOSTAS DE PARCERIA E FILIAÇÃO DE ENTIDADES

Federações interessadas em se filiar a ABEE  para representar os estados brasileiros, ainda que ecléticas (responsáveis pela administração de um rol de modalidades além das que compõem o cenário oficial/mundial de  escalada esportiva de competição – boulder, velocidade e dificuldade), as mesmas devem enviar seu estatuto e última ata de eleição devidamente registrados, para diretoria@abee.net.br, com carta de apresentação, histórico  e projetos de escalada esportiva realizados em prol da escalada esportiva por seus membros nos últimos 3 anos  (histórico positivo de pelo menos 2 membros da diretoria no cenário da escalada de  competição  no seu estado brasileiro será um requisito para ser membro da ABEE como entidade filiada). As propostas de filiação serão avaliadas pela diretoria e conselhos ABEE.

A princípio, os POLOS ABEE  que contam com  espaços em prol da escalada esportiva  (ainda que alguns deles não contem com Federações organizadas) são:

– PÓLO NORTE e  NORDESTE (futuramente pode ser separado entre Norte e Nordeste)

– PÓLO CENTRO-OESTE (DF, Brasília, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul)

– PÓLO de MINAS GERAIS

– PÓLO do ESPÍRITO SANTO

– PÓLO de SÃO PAULO

– PÓLO do RIO DE JANEIRO

– PÓLO do PARANÁ

– PÓLO de SANTA CATARINA

– PÓLO do RIO GRANDE DO SUL

Sabemos da importância de envolver e integrar cada estado e  pólo pelo Brasil, e conectar todos para que o trabalho flua com muitos braços e intercâmbio de informações. Com o crescimento conjunto e  de forma padronizada através de eventos regionais e nacionais interligados, vamos alimentando as futuras gerações com consciência e criando possibilidades de novos pólos, sem desperdício de talentos. Essa é uma das grandes missões  no Brasil para os próximos anos. Trabalho duro e longo, mas que se integrado, deve funcionar cada vez melhor. Já estamos nesse caminho.

 

RANKING BRASILEIRO 2016

Queremos parabenizar todos os atletas participantes e ranqueados no campeonato brasileiro de escalada 2016, modalidade boulder realizada no ginásio Campo Base e modalidade dificuldade, realizada no ginásio Casa de Pedra.

A princípio, em 2017 a ABEE seguirá com o formato de etapa única para cada modalidade com o intuito de continuar promovendo o esporte de competição de maneira sustentável   – graças principalmente às filiações, grande parte oriunda de atletas da categoria PRÓ e também de atletas e escaladores que querem  fazer parte da estruturação do esporte e entendem seu papel no panorama geral.

Contudo, esse circuito brasileiro pode vir a aumentar ou contar com Campeonatos Abertos organizados em parceria com entidades regionais/estaduais.

Em contra-partida, cada campeonato brasileiro, desde a fundação da ABEE, é idealizado e realizado com extremo comprometimento, e assim seguirá em 2017,  começando com os preparativos (desde negociações e escolhas de sedes com antecedência, processos contratuais e busca de apoios, staff, escolha de routesseters e juízes capacitados,  até divulgação, produção de camisetas, banners, controle de inscritos e caixa do evento, retorno aos inscritos, produção local para recepção dos participantes e uma sintonia fina com o ginásio sede local por pelo menos 3 meses de trabalho.)

Até o momento,  temos colhido belos frutos ao optar em manter etapas únicas, pois, considerando o cenário brasileiro e realidade de trabalho voluntário até então, conseguimos organizar tempo e caixa suficiente para agendar e realizar o ranking anual independente de grandes apoios empresariais. Felizmente, tímidos e importantes patrocínios chegaram a acontecer em 2016, o que permitiu um pequeno lucro em cada etapa, poupando ginásio sede e ABEE de comprometerem o caixa anual para cobrir despesas de evento.

Atualmente, os membros ABEE, além de poderem participar de todos os eventos oficiais, nacionais e internacionais, contam com descontos mútuos quando filiados a federações e associações nacionais parceiras (listadas em nosso site em parcerias), participam de sorteios e contam com atendimento médico (ortopedia) gratuito em São Paulo.

O formato de filiação ABEE para membros de entidades regionais/estaduais deve seguir com com um valor de filiação incluindo as duas entidades (regional e nacional), com um formato  que ainda está sendo discutido e negociado, e será divulgado na segunda quinzena de  dezembro, após Assembléia ABEE.

ATENDIMENTO MÉDICO

Já temos em São Paulo um benefício extremamente  relevante em parceria com o Hospital das Clínicas – HC, referência no país, oferecendo atendimento médico especializado e gratuito para atletas de competição, com o Dr. Malcon Botteon, fisiatra e ortopedista do HC,  também escalador e indicado pela presidente da ABEE Janine Cardoso  (que cumpre a função de direcionar atletas membros quando estes necessitam de atendimento).

 

CONTROLE ANTI-DOPING
Para o próximo ano estamos estudando a possibilidade de  oferecer no circuito brasileiro o controle anti-doping, atualmente praticado rigidamente em todos os campeonatos internacionais do IFSC, incluindo Campeonatos continentais. 

De qualquer forma, a partir de 2017 a ABEE será rígida com os atletas de performance que queiram competir em etapas da Copa do Mundo e Mundiais, e é importante salientar que não somente os atletas finalistas passam pelo anti-doping – atletas classificados para semi-finais também passam por um sorteio para anti-doping.

Lembramos que cannabis  é uma substância proibida e que uma série de suplementos do mercado podem conter substâncias proibidas não especificadas no rótulo, por isso, é importante que todos os atletas mantenham-se conscientes e focados nos treinamentos com uso de suplementação permitida (de preferência, manipulados ou de marcas confiáveis).

Formatação de cursos de instrução e route setters nos PÓLOS ABEE: 

Aproveitamos para lembrar que qualquer federação e ginásio de escalada esportiva que tenha interesse em ser um braço regional da ABEE e fazer parte dos pólos de escalada esportiva com intercâmbio de informações e experiências, devem contatar-nos pelo email: contato@abee.net.br ou diretoria@abee.net.br.

Atualmente, temos um formato de desconto mútuo que consagra essa parceria (normalmente de -25% em cada filiação, tanto na ABEE como na Filiação regional/estadual), além de prover a esse braço informação necessária sobre regulamentação e treinamento de base e intermediário.

Em conjunto com o conselho de representantes oficial  formado atualmente  por André Berezoski, Jean Ouriques e Anderson Gouveia, a ABEE está formatando:

– plano de carreira para Route-Setters e para instrutores com base no formato de países mais organizados como Áustria, França e Suíça.

– workshop sobre treinamento de base e para grupos interessados em competir.

– Workshops de Juiz e Staff para eventos

– Workshops para Ensino de Crianças e futuramente Treinamento de equipe.

 

WORKSHOP ABEE- (a definir data entre final de novembro e primeira quinzena de dezembro)

Ainda em 2016, divulgaremos um WORKSHOP para apresentar mais detalhadamente o  formato de plano de carreira conforme exposto a cima, disponibilizando informações a representantes de todas as federações e ginásios parceiros, e homologaremos pelo menos um curso de Route-Setter,  ministrado esse ano por um dos membros do conselho de representantes  ABEE.

Paralelamente, cursos de treinamento e de  route setters podem ou não contar com a chancela ABEE, certificando a participação dos presentes, contanto que o curso seja acompanhado e aprovado por um membro oficial da ABEE para que o trabalho no Brasil siga com um padrão e formato bem estruturados e pré-estabelecidos.

A formatação do trabalho da ABEE para o futuro será baseada no conhecimento adquirido pelo nosso conselho de representantes e diretoria por mais de 15 anos no cenário de escalada esportiva, com a grande oportunidade de aquisição de know-how adquirido através do Workshop  sobre organização da escalada esportiva durante as Olimpíadas Rio 2016, em parceria com a Federação da Áustria e treinadores da Suíça, França e Áustria.

WORKSHOP RIO 2016 com FEDERAÇÃO AUSTRÍACA

Durante o mês de julho, membros ABEE foram convidados por e-mail a candidatarem-se para  participar  de um intercâmbio de trabalho e instrução em parceria com Federação Austríaca, que aconteceu em muro aberto  no Shopping Rio-Sul durante as Olimpíadas Rio 2016 (no mês de agosto).

Os participantes que manifestaram interesse  tiveram acesso a 4 palestras de 4 horas cada com formatação de conteúdo definida entre ABEE e Federação Austríaca , além de interagir  com profissionais de países que já estão num elevado nível de organização mundial em escalada esportiva.

Todos os treinadores e chefes de equipe que ministraram os workshops (França, Áustria e Suiça) foram extremamente abertos sobre o sistema estudado  por mais de 10 anos,  qual é atualmente aplicado em seus países.

Graças a essa oportunidade, tivemos acesso a  um panorama muito claro sobre:

– organização do esporte de base:   forma de trabalho e plano de carreira /  o que ajuda e o que atrapalha esse trabalho em cada país contextualizado em formatos diferentes, estrutura e investimento desde a base até o topo da pirâmide (onde estão os profissionais e atletas de performance).

– treinamento de base, com indicação de conhecimentos básicos e mínimos para crianças e iniciantes (desde saberes físicos e psicológicos até segurança no esporte), de forma que toda criança ou iniciante tenha realizado um  curso básico para evoluir para o próximo nível de treinamento, no seu tempo adequado.

– treinamento para grupos em regiões e estados, com trabalho consciente também nos âmbitos fisicos, psicológicos e de segurança, como profissionais conectados com um formato minimamente padronizado e chancelado pela ABEE.

– treinamento de time nacional e investimento de verba para escalada esportiva em atletas que representem o país em eventos oficiais mundiais, incluindo a seletiva para as Olimpíadas.

Participaram desse workshop com ajuda de custo como instrutor ABEE,  os seguintes membros: Janine Cardoso (SP), Jean Ouriques (MG), Anderson Gouveia (PR) e Igor Plesky (RJ).

Esses tópicos, entre outros temas sobre organização estão sendo formatados durante os meses de outubro e novembro de 2016 pelo conselho e diretoria ABEE para apresentação em Encontro ainda esse ano, e será colocado em prática  pouco a pouco, repassando o conhecimento através de workshops semestrais. Um resumo desse formato será apresentado no encontro ABEE para Assembléia Geral Anual, que será realizada no mês de dezembro de 2016 (com data e local a definir, a ser divulgado até dia 10  de novembro). Estamos estudando a possibilidade de realizar um Workshop no mesmo final de semana da Assembleia Anual ABEE (ambos, abertos a membros ABEE).

Conforme processo de organização e contatos com entidades regionais, estaduais e ginásios, o formato de atuação com POLOS, assim como o formato ABEE pode vir a ter algumas alterações para atender às exigências do COB.

  • Entidade regional/estadual de escalada esportiva  interessada em ser membro ABEE como entidade responsável nos Pólos acima: enviar documentação (estatuto e ultima ATA com dados completos dos dirigentes eleitos e histórico de trabalho de cada um no cenário da escalada esportiva, por no mínimo 3 anos) para: diretoria@abee.net.br.

 

  • Projetos sobre eventos de escalada, como Open ou campeonatos regionais para 2017/2018, e atendimento a  mídia: contato@abee.net.br .

Fiquem atentos às nossas publicações por aqui e ótimas escaladas a todos!

Equipe ABEE

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *